• Submissões abertas para o dossiê: “Formação em Educação Física no Brasil: realidade, contradições e possibilidades”

    07-12-2020

    A ANFOPE e a revista Formação em Movimento informam que estão abertas as submissões de artigos  para o dossiê, organizado por Rodrigo Lema Del Rio Martins (UFRRJ) e Melina Silva Alves (UFPB), sob o tema:

    Formação em Educação Física no Brasil: realidade, contradições e possibilidades”.

    Submissões até 12 de março de 2021

     A publicação do dossiê está prevista para o  segundo semestre de 2021, no número 7 de Formação em Movimento

    Saiba mais sobre Submissões abertas para o dossiê: “Formação em Educação Física no Brasil: realidade, contradições e possibilidades”
  • SUBMISSÕES PRORROGADAS para o dossiê “Formação docente, diferença(s) e diversidade(s)”

    07-12-2020

    O  dossiê “FORMAÇÃO DOCENTE, DIFERENÇA(S) E DIVERSIDADE (S)” organizado por Fabio Luiz Alves de Amorim (Estácio/ES) e Maria da Conceição Silva Soares (UERJ) tem submissões abertas até 15 de JANEIRO de 2021.

    O dossiê será publicado no Número 5 da revista FORMAÇÃO em MOVIMENTO, no primeiro semestre de 2021.

    Publicado2020-09-11

    “FORMAÇÃO DOCENTE, DIFERENÇA(S) E DIVERSIDADE (S)” 

    Organização: Fabio Luiz Alves de Amorim (FESV/ES) e Maria da Conceição Silva Soares (UERJ)

     O dossiê se propõe a abrir espaço para as argumentações produzidas por pesquisadores/as de diversas correntes teóricas e diferentes instituições, problematizando a formação continuada/permanente de professores/as na perspectiva da diferença e/ou da diversidade. Reúne debates, reflexões e proposições acerca da formação de professores/as em diferentes contextos, tais como nas/com as práticas cotidianas nas/com as escolas e na cultura, nas/com os processos formais nas/com as universidades e secretarias de educação, nos/com usos das mídias, em conjunto com movimentos sociais e ONGs, entre outros espaços-tempos formativos. Busca destacar narrativas e experiências que rompam com discursos cristalizados e hegemônicos, que pensam a formação como formatação da docência e da vida, questionando a ideia de currículo único e formação única na contingência das políticas educacionais atuais. Aposta nos processos de formação continuada/permanente de professores/as como aprendizagens inventivas, movimentos inclusivos e de resistência à padronização da educação e aos mecanismos excludentes da pauta extremista e fundamentalista do neoliberalismo.

    ATENÇÃO: Submissões prorrogadas até 15 de JANEIRO de 2021

    O dossiê será publicado no Número 5 da revista FORMAÇÃO em MOVIMENTO, no primeiro semestre de 2021.

    Saiba mais sobre SUBMISSÕES PRORROGADAS para o dossiê “Formação docente, diferença(s) e diversidade(s)”
  • SUBMISSÕES PRORROGADAS para o dossiê “Formação docente, diferença(s) e diversidade(s)”

    07-12-2020

    O  dossiê “FORMAÇÃO DOCENTE, DIFERENÇA(S) E DIVERSIDADE (S)” organizado por Fabio Luiz Alves de Amorim (Estácio/ES) e Maria da Conceição Silva Soares (UERJ) tem submissões abertas até 15 de JANEIRO de 2021.

    O dossiê será publicado no Número 5 da revista FORMAÇÃO em MOVIMENTO, no primeiro semestre de 2021.

    Publicado2020-09-11

    “FORMAÇÃO DOCENTE, DIFERENÇA(S) E DIVERSIDADE (S)” 

    Organização: Fabio Luiz Alves de Amorim (FESV/ES) e Maria da Conceição Silva Soares (UERJ)

     O dossiê se propõe a abrir espaço para as argumentações produzidas por pesquisadores/as de diversas correntes teóricas e diferentes instituições, problematizando a formação continuada/permanente de professores/as na perspectiva da diferença e/ou da diversidade. Reúne debates, reflexões e proposições acerca da formação de professores/as em diferentes contextos, tais como nas/com as práticas cotidianas nas/com as escolas e na cultura, nas/com os processos formais nas/com as universidades e secretarias de educação, nos/com usos das mídias, em conjunto com movimentos sociais e ONGs, entre outros espaços-tempos formativos. Busca destacar narrativas e experiências que rompam com discursos cristalizados e hegemônicos, que pensam a formação como formatação da docência e da vida, questionando a ideia de currículo único e formação única na contingência das políticas educacionais atuais. Aposta nos processos de formação continuada/permanente de professores/as como aprendizagens inventivas, movimentos inclusivos e de resistência à padronização da educação e aos mecanismos excludentes da pauta extremista e fundamentalista do neoliberalismo.

    ATENÇÃO: Submissões prorrogadas até 15 de JANEIRO de 2021

    O dossiê será publicado no Número 5 da revista FORMAÇÃO em MOVIMENTO, no primeiro semestre de 2021.

    Saiba mais sobre SUBMISSÕES PRORROGADAS para o dossiê “Formação docente, diferença(s) e diversidade(s)”
  • PRORROGADAS as submissões para o dossiê “Curso de Pedagogia no Brasil: tensões, controvérsias e perspectivas”

    07-12-2020

    A ANFOPE e a revista Formação em Movimento convidam professores e pesquisadores para submeterem artigos para o dossiê organizado pelas professoras Shirleide Pereira da Silva Cruz (UnB) e Andréia Nunes Militão (UEMS) sob o tema:  “Curso de Pedagogia no Brasil: tensões, controvérsias e perspectivas”

     Submissões até 22 de JANEIRO de 2021.

    O dossiê será publicado no número 6 de Formação em Movimento, no segundo semestre de 2021.  

    Publicado2020-09-11

    “Curso de Pedagogia no Brasil: tensões, controvérsias e perspectivas”

    Organização: Shirleide Pereira da Silva Cruz (UnB) e Andréia Nunes Militão (UEMS)

     Historicamente, o curso de Pedagogia no Brasil, tem uma trajetória marcada por disputas de diferentes projetos formativos, notadamente pela contenda em torno da identidade e da organização do curso, expressa na formação que oferece, no campo de atuação desse profissional e no lócus dessa formação.

    Após um longo período de debates, controvérsias legais e discussões epistemológicas as vigentes Diretrizes Nacionais Curriculares para o Curso de Pedagogia de 2006, sistematizou a docência como identidade e princípio norteador, conforme consensuado pelo movimento dos educadores, agregada à possibilidade de construção e requerimento de conhecimentos pedagógicos em diferentes modalidades e espaços educativos tendo a gestão e a pesquisa como elementos constituintes.

    As atuais Diretrizes Nacionais para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica e Base Nacional Comum para a Formação Inicial, instituídas pela Resolução n.02/2019, contudo, abrem caminho para a fragmentação do curso de Pedagogia, além de segmentar a gestão da docência e silenciar sobre a pesquisa como princípio formativo.

    Este dossiê visa reunir estudos de pesquisadores que possuem um acúmulo histórico e investigativo sobre a Pedagogia como campo de conhecimento e como campo profissional e seus diferentes mecanismos de regulação, com vistas a analisar criticamente a proposta apontada pela Resolução n. 02/2019 desvelando, assim, suas controvérsias, tensões e perspectivas.

    A questão que percorre o presente Dossiê, portanto, é: Quais são as implicações da Resolução CNE/CP n° 02/2019 para o curso de Pedagogia?

    ATENÇÂO Submissões prorrogadas até 22 de JANEIRO de 2021.

    O dossiê será publicado no número 6 de Formação em Movimento, no segundo semestre de 2021. 

    Saiba mais sobre PRORROGADAS as submissões para o dossiê “Curso de Pedagogia no Brasil: tensões, controvérsias e perspectivas”
  • PRORROGADAS as submissões para o dossiê “Curso de Pedagogia no Brasil: tensões, controvérsias e perspectivas”

    07-12-2020

    A ANFOPE e a revista Formação em Movimento convidam professores e pesquisadores para submeterem artigos para o dossiê organizado pelas professoras Shirleide Pereira da Silva Cruz (UnB) e Andréia Nunes Militão (UEMS) sob o tema:  “Curso de Pedagogia no Brasil: tensões, controvérsias e perspectivas”

     Submissões até 22 de JANEIRO de 2021.

    O dossiê será publicado no número 6 de Formação em Movimento, no segundo semestre de 2021.  

    Publicado2020-09-11

    “Curso de Pedagogia no Brasil: tensões, controvérsias e perspectivas”

    Organização: Shirleide Pereira da Silva Cruz (UnB) e Andréia Nunes Militão (UEMS)

     Historicamente, o curso de Pedagogia no Brasil, tem uma trajetória marcada por disputas de diferentes projetos formativos, notadamente pela contenda em torno da identidade e da organização do curso, expressa na formação que oferece, no campo de atuação desse profissional e no lócus dessa formação.

    Após um longo período de debates, controvérsias legais e discussões epistemológicas as vigentes Diretrizes Nacionais Curriculares para o Curso de Pedagogia de 2006, sistematizou a docência como identidade e princípio norteador, conforme consensuado pelo movimento dos educadores, agregada à possibilidade de construção e requerimento de conhecimentos pedagógicos em diferentes modalidades e espaços educativos tendo a gestão e a pesquisa como elementos constituintes.

    As atuais Diretrizes Nacionais para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica e Base Nacional Comum para a Formação Inicial, instituídas pela Resolução n.02/2019, contudo, abrem caminho para a fragmentação do curso de Pedagogia, além de segmentar a gestão da docência e silenciar sobre a pesquisa como princípio formativo.

    Este dossiê visa reunir estudos de pesquisadores que possuem um acúmulo histórico e investigativo sobre a Pedagogia como campo de conhecimento e como campo profissional e seus diferentes mecanismos de regulação, com vistas a analisar criticamente a proposta apontada pela Resolução n. 02/2019 desvelando, assim, suas controvérsias, tensões e perspectivas.

    A questão que percorre o presente Dossiê, portanto, é: Quais são as implicações da Resolução CNE/CP n° 02/2019 para o curso de Pedagogia?

    ATENÇÂO Submissões prorrogadas até 22 de JANEIRO de 2021.

    O dossiê será publicado no número 6 de Formação em Movimento, no segundo semestre de 2021. 

    Saiba mais sobre PRORROGADAS as submissões para o dossiê “Curso de Pedagogia no Brasil: tensões, controvérsias e perspectivas”