A EDUCAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DAS CONCEPÇÕES DE NATUREZA E DE TRABALHO DE PESCADORES

Palavras-chave: Trabalho, Pesca, Conservação da Natureza, Trabalho e Educação, Educação Ambiental

Resumo

Este artigo objetiva estabelecer a reflexão sobre a concepção que os pescadores artesanais do estuário da Lagoa dos Patos têm a respeito de natureza e trabalho, considerando que estas são as duas maiores riquezas da humanidade, e conceitos com os quais a Educação Ambiental pode trabalhar para construir formas de produção e reprodução da vida de modo socialmente justo e ambientalmente sustentável, alternativas à sociedade capitalista industrial moderna. A relação que se estabelece com a natureza, caracterizada pela harmonia e luta dos pescadores, de forma a constituir uma prática profissional que é marcada pelo caráter polivalente, diverso, comunitário e satisfatório entre os pescadores artesanais, serve de subsídio para a Educação Ambiental na organização de sua práxis.

Biografia do Autor

{$author}, Secretaria de Estado de Educação do Rio Grande do Sul (SEEd/RS), Brasil

Mestre em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Atua como Professor na Secretaria Municipal de Educação de Pelotas e na Secretaria de Estado de Educação do Rio Grande do Sul.

{$author}, Universidade Federal de Rio Grande (FURG), Brasil

Doutor em História e Sociedade pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Atua como Professor no Instituto de Ciências Humanas e Informação (ICHI) da Universidade Federal de Rio Grande (FURG), onde integra o quadro docente do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental (PPGEA). Integra o Conselho Consultivo da Revista Ambiente e Educação (PPGEA/FURG) e da Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental (PPGEA/FURG). É membro do Conselho Editorial da Revista Brasileira de Educação Ambiental. Consultor ad hoc da UNESCO, PNUD e OTCA; facilitador, no Brasil, e revisor pedagógico, do Curso Piloto da Unesco para professores sobre Educação em Mudança Climática e Desenvolvimento Sustentável; disseminador dos Objetivos do Desenvolvimento sustentável no Brasil.

Referências

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018. 325 p.

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. Tradução de José Carlos Martins Barbosa e Hemerson Alves Baptista. 3.ed. São Paulo: Brasiliense,1994. 271 p.

BRAVO, Maicon Dourado. Na maré das lembranças: memória, pesca artesanal, globalização e educação ambiental no contexto da Laguna dos Patos. 2011. 103 f. (Mestrado em Educação Ambiental) – Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental, Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2011.

DIEGUES, Antônio Carlos Sant’Ana. O mito moderno da natureza intocada. 6.ed. São Paulo: Hucitec/Nupaug, 2008. 198 p.

DIEGUES, Antônio Carlos Sant’Ana. Pescadores, camponeses e trabalhadores do mar. São Paulo: Ática, 1983. 287 p.

DUARTE, Rodrigo A. de Paiva. Marx e a natureza em O Capital. 2.ed. São Paulo: Loyola, 1995. 110 p.

ENGELS, Friedrich. A dialética da natureza. 3.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. 240 p.

FOSTER, John Bellamy. A ecologia de Marx. Tradução de Maria Teresa Machado. 3.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011. 418 p.

GAÚCHAZH. AMBIENTE. Lama reaparece na beira da Praia do Cassino e reacende discussão sobre dragagem. Porto Alegre: 11/12/2018. Disponível em https://gauchazh.clicrbs.com.br/ambiente/noticia/2018/12/lama-reaparece-na-beira-da-praia-do-cassino-e-reacende-discussao-sobre-dragagem-cjpimsn2l0kcb01rxkmibmad0.html , acesso em 30/04/2020.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Sustentabilidade e educação: um olhar da ecologia política. São Paulo: Cortez, 2012a. 128 p.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Teoria social e questão ambiental: pressupostos para uma práxis crítica em educação ambiental. In: LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo; LAYRARGUES, Philippe Pomier; CASTRO, Ronaldo Souza de (orgs.). Sociedade e meio ambiente: a educação ambiental em debates. 7.ed. São Paulo: Cortez, 2012b. p. 17-54.

MARX, Karl. Crítica ao programa de Gotha. Tradução de Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2012. 140 p.

MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. Tradução de Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo, 2010. 190 p.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política: Livro I: o processo de produção do capital. Tradução de Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013. 894 p.
Publicado
25-05-2020
Como Citar
BRAVO, M.; DE FREITAS, J. A EDUCAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DAS CONCEPÇÕES DE NATUREZA E DE TRABALHO DE PESCADORES. RTPS - REVISTA TRABALHO, POLÍTICA E SOCIEDADE, v. 5, n. 8, p. p. 349-363, 25 maio 2020.