CAMPANHAS AUDIOVISUAIS DE PREVENÇÃO EM SST E O PERFIL DE AGRAVOS NO BRASIL

Palavras-chave: Segurança e Saúde no Trabalho, Prevenção, Políticas Públicas

Resumo

Este artigo apresenta o resultado de uma pesquisa que buscou trazer conhecimento sobre  quais setores e atividades econômicas estão prevalecendo ou sendo pouco abordados em campanhas preventivas públicas em Segurança e Saúde no Trabalho (SST). Haveria alguma discrepância entre os dados públicos oficiais sobre acidentes e doenças do trabalho no Brasil e enfoque das campanhas preventivas? Além de responder a essa questão, a pesquisa aqui apresentada visou identificar os atores a quem as mensagens preventivas eram dirigidas (se aos empregadores ou trabalhadores, por exemplo), assim como os atores responsabilizados pela prevenção nas mensagens. Para tanto, um corpus contendo setenta vídeos de campanhas preventivas foi construído para análise de conteúdo. Entre os resultados obtidos, destaca-se a escassa abordagem do setor de transportes apesar da sua alta taxa de mortalidade e de mortes em números absolutos.

Biografia do Autor

{$author}, Fundação Jorge Duprat e Figueiredo (FUNDACENTRO), Brasil

Doutor em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), com pós-doutorado em Filosofia pelo Departamento de Filosofia da Universidade de São Paulo (USP). Atualmente é Tecnologista Pleno II da Fundação Jorge Duprat e Figueiredo (FUNDACENTRO).

Referências

AARTS, Bas; BAUER, Martin. A construção do corpus: um princípio para a coleta de dados qualitativos. In: BAUER, Martin; GASKELL, George (org). Pesquisa Qualitativa com Texto, Imagem e Som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2008.

ABÍLIO, Ludmila Costhek. Uberização do trabalho: subsunção real da viração. Passa Palavra, 19 fev., 2017. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2019.

DANIELLOU, François; SIMARD, Marcel; BOISSIÈRES, Ivan. Fatores Humanos e Organizacionais da Segurança Industrial: um estado da arte. Cadernos de Segurança Industrial, n.2013-07. Toulouse: ICSI, 2010.

DIEESE. Anuário da Saúde do Trabalhador. São Paulo: Dieese, 2016.

DIEESE. Balanço das greves de 2018. Estudos e Pesquisa, Rio de Janeiro, n. 89, abr. 2019.

FALEIROS, Vicente de Paula. O Trabalho da Política: Saúde e Segurança dos Trabalhadores. São Paulo: Cortez, 1992.

FILGUEIRAS, Vitor Araújo. A Ocultação do Adoecimento Laboral no Brasil. In: FILGUEIRAS, Vitor Araújo. (org). Saúde e Segurança do Trabalho no Brasil. Brasília: Gráfica Movimento, 2017a.

FILGUEIRAS, Vitor Araújo. As promessas da Reforma Trabalhista: combate ao desemprego e redução da informalidade. In: FILGUEIRAS, Vitor Araújo.; KREIN, José Dari.; OLIVEIRA, Roberto Véras de (orgs). Reforma Trabalhista no Brasil: Promessas e Realidade. Campinas: Curt Nimuendajú, 2019.

FILGUEIRAS, Vitor Araújo. Individualização, saúde e segurança do trabalho no Brasil. In: FILGUEIRAS, Vitor Araújo. (org). Saúde e Segurança do Trabalho no Brasil. Brasília: Gráfica Movimento, 2017b.

FRAGOSO JR. Ademar; GARCIA, Eduardo Garcia. Transporte rodoviário de carga: acidentes de trabalho fatais e fiscalização trabalhista. Rev. bras. saúde ocup., São Paulo, Fundacentro, vol. 44, 2019.

LIBERATO, Leo Vinicius Maia. Viradas do Avesso: percepção dos trabalhadores, constituição e existência de ferramentas de SST. Revista Latinoamericana de Estudios del Trabajo, Rio de Janeiro, ALAST, v. 19, p. 39-64, 2014.

MENÉNDEZ-NAVARRO, Alfredo. A Arte de Prevenção em Segurança e Saúde no Trabalho. São Paulo: Fundacentro, 2019.

MINISTÉRIO DO TRABALHO. Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) 2016. Análise dos Principais Resultados. Brasília: Ministério do Trabalho, 2017.

NICHOLS, Theo. Death and Injury at Work: A Sociological Approach. In: DAYKIN, Norman; DOYAL, Lesley (eds.). Health and Work: Critical Perspectives. New York: St. Martin, 1999.

VINICIUS, Leo. Antes de Junho: Rebeldia, Poder e Fazer da Juventude Autonomista. Florianópolis: Em Debate, 2014.
Publicado
25-05-2020
Como Citar
LIBERATO, L. CAMPANHAS AUDIOVISUAIS DE PREVENÇÃO EM SST E O PERFIL DE AGRAVOS NO BRASIL. RTPS - REVISTA TRABALHO, POLÍTICA E SOCIEDADE, v. 5, n. 8, p. p. 333-347, 25 maio 2020.