QUALIFICAÇÃO PARA A MODERNIZAÇÃO PORTUÁRIA NO PROGRAMA DE ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO (PREPOM)

Palavras-chave: Trabalhadores Portuários Avulsos, Educação para o Trabalho, Qualificação Profissional, Programa de Formação Profissional

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar a qualificação da força de trabalho portuária avulsa do porto de Paranaguá (PR), para a sua adequação aos novos processos tecnológicos do setor. Os trabalhadores portuários avulsos (TPAs) se veem impelidos a autenticar suas competências profissionais através das certificações dos cursos ofertados pelo Órgão Gestor de Mão de Obra (OGMO). A qualificação certificada passa a regular a força de trabalho avulsa, aumentando a procura por cursos do Programa do Ensino Profissional Marítimo (PREPOM) pelos TPAs. Utilizou-se de pesquisa documental, pesquisa de campo e de entrevistas semiestruturadas para se concluir que os TPAs incorporaram em seus próprios discursos a necessidade da qualificação, para atenderem às demandas e exigências da modernização portuária por um novo perfil de TPA, competente e multifuncional, com o fito de se manterem empregados.

Biografia do Autor

{$author}, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Brasil

Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Atua como professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), onde integra o quadro docente do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia.

{$author}, Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Paraná (PPGS/UFPR), Brasil

Doutoranda em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Mestra em Tecnologia e Sociedade pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

Referências

BRASIL. Lei n. 8.630 de 25 de fevereiro de 1993. Dispõe sobre o regime jurídico da exploração dos portos organizados e das instalações portuárias e dá outras providências. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1993/lei-8630-25-fevereiro-1993-363250-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 01 mar. 2020.

BRASIL. Lei Nº 11.632, de 27 de dezembro de 2007. Altera o inciso I do caput do art. 44, da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília (DF): 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Lei/L11632.htm , acesso em 17/05/2020.

BRASIL. Lei nº 12.815, de 5 de junho de 2013. Dispõe sobre a exploração direta e indireta pela União de portos e instalações portuárias e sobre as atividades desempenhadas pelos operadores portuários; altera as Leis nºs 5.025, de 10 de junho de 1966, 10.233, de 5 de junho de 2001, 10.683, de 28 de maio de 2003, 9.719, de 27 de novembro de 1998, e 8.213, de 24 de julho de 1991; revoga as Leis nºs 8.630, de 25 de fevereiro de 1993, e 11.610, de 12 de dezembro de 2007, e dispositivos das Leis nºs 11.314, de 3 de julho de 2006, e 11.518, de 5 de setembro de 2007; e dá outras providências. Brasília (DF): 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12815.htm , acesso em 17/05/2020.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília (DF): Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm , acesso em 17/05/2020.

CARVALHO, Francisco Edivar. Trabalho portuário avulso: antes e depois da Lei de Modernização dos Portos. São Paulo: LTr, 2005.

DIEGUÉZ, Carla Regina Mota Alonso. A masculinidade do trabalhador portuário: novas questões em tempos de automação. In: FAZENDO GÊNERO 9, Florianópolis, 2010. Fazendo Gênero 9: Diásporas, Diversidades, Deslocamentos: Anais eletrônicos. Florianópolis: Editora da UFSC, 2010. p.1-9.

DIEGUÉZ, Carla Regina Mota Alonso. De OGMO (Operário Gestor de Mão-de-Obra) para OGMO (Órgão Gestor de Mão-de-Obra): modernização e cultura do trabalho no porto de Santos. São Paulo, 2007. 149 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo - USP.

DIEGUÉZ, Carla Regina Mota Alonso. Trabalho à deriva: contradição e ambiguidades nas lutas e percepções dos estivadores de Santos (1993- 2013). Campinas (SP), 2014. 347 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP.

DPC – DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS. Normas da autoridade marítima para o ensino profissional marítimo, volume II: Portuários e Atividades Correlatas, NORMAM-32/DPC. Rio de Janeiro: DPC, 2017.

DPC – DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS. Fundo de Desenvolvimento do Ensino Profissional Marítimo: Relatório de Gestão. Rio de Janeiro: DPC, 2008.

DPC – DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS. Normas da autoridade marítima para o ensino profissional marítimo, volume II: Portuários e Atividades Correlatas, NORMAM-30/DPC. Rio de Janeiro: DPC, 2012.

FIDALGO, Fernando. A Formação profissional negociada: França e Brasil, anos 90. São Paulo: A. Garibaldi, 1999.

FRIEDMANN, Georges. O trabalho em migalhas. 2ª ed. São Paulo: Perspectiva, 1964.

NAVILLE, Pierre. Essai sur la qualification du travail. Paris: Librairie Marcel Eiviére et Cie, 1956.

NETO, Arnaldo Bastos Santos; VENTILARI, Paulo Sérgio Xavier. O trabalho portuário e a modernização dos portos. Curitiba: Juruá, 2004.

PAUL, Norberto Luiz de França; FREDDO, Antonio Carlos. Questões sobre a multifuncionalidade nas operações portuárias em Santos. EGesta, Santos, Universidade Católica de Santos, v. 5, n. 3, p. 149-168, jul-set 2009.

PINTO, Cristiano Paixão Araújo; FLEURY, Ronaldo Curado. A modernização dos portos e as relações de trabalho no Brasil. Porto Alegre: Síntese, 2004.

QUEIRÓZ, Maria de Fátima Ferreira; GERALDO, Juliana Varela. O trabalho portuário até 1970: contexto internacional e nacional. In: QUEIRÓZ, Maria de Fátima Ferreira; MACHIN, Rosana; COUTO, Márcia Teresa (orgs.). Porto de Santos: Saúde e Trabalho em Tempos de Modernização. São Paulo: Fap-Unifesp, 2015. P. 33-48.

RAMOS, Marise Nogueira. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2006.

SAAD, Eduardo Gabriel (Org.). CLT, Consolidação das Leis do Trabalho: comentada. 37ª ed. São Paulo: LTR, 2004.

SALERNO, Mario Sérgio. Trabalho e organização na empresa industrial integrada e flexível. In: FERRETTI, Celso João et al (Orgs.). Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. 5.ed. Petrópolis: Vozes, 1999. P. 54-76.

SARTI, Ingrid. Porto vermelho: os estivadores santistas no sindicato e na política. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

SILVA, Fernando Teixeira da. A carga e a culpa: os operários das Docas de Santos - direitos e cultura de solidariedade 1937-1968. São Paulo: Hucitec, 1995.

SILVA, Fernando Teixeira da. Operários sem patrões: da Barcelona à Moscou brasileira (trabalho e movimento operário em Santos no entreguerras). Campinas (SP): 2000. 494 f. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.

TARTUCE, Gisela Lobo Baptista Pereira. Algumas reflexões sobre a qualificação do trabalho a partir da sociologia francesa do pós-guerra. Educação & Sociedade. Campinas, V. 25, nº 87, p. 353-382, mai.-ago/2004a. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br . Acesso em: 11/02/2020.

TARTUCE, Gisela Lobo Baptista Pereira. O que há de novo no debate da “qualificação do trabalho”? Reflexões sobre o conceito com base nas obras de Georges Friedmann e Pierre Naville. São Paulo: 2002. 231 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo - USP.

TARTUCE, Gisela Lobo Baptista Pereira. Pierre Naville e os estudos sobre a automação na França do Pós-guerra. Política & Trabalho, João Pessoa, n. 21, p. 81-104, out. 2004b.

TRABALHADORES portuários concluíram curso de 1° grau. Informativo do Órgão Gestor de Mão-de-Obra do Paraná, Paranaguá, n.18, p.5, nov/dez. 2000.
Publicado
25-05-2020
Como Citar
AMORIM, M.; SILVA, L. QUALIFICAÇÃO PARA A MODERNIZAÇÃO PORTUÁRIA NO PROGRAMA DE ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO (PREPOM). RTPS - REVISTA TRABALHO, POLÍTICA E SOCIEDADE, v. 5, n. 8, p. p. 313-332, 25 maio 2020.