QUALIFICAÇÃO PARA A MODERNIZAÇÃO PORTUÁRIA NO PROGRAMA DE ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO (PREPOM)

Palavras-chave: Trabalhadores Portuários Avulsos, Educação para o Trabalho, Qualificação Profissional, Programa de Formação Profissional

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar a qualificação da força de trabalho portuária avulsa do porto de Paranaguá (PR), para a sua adequação aos novos processos tecnológicos do setor. Os trabalhadores portuários avulsos (TPAs) se veem impelidos a autenticar suas competências profissionais através das certificações dos cursos ofertados pelo Órgão Gestor de Mão de Obra (OGMO). A qualificação certificada passa a regular a força de trabalho avulsa, aumentando a procura por cursos do Programa do Ensino Profissional Marítimo (PREPOM) pelos TPAs. Utilizou-se de pesquisa documental, pesquisa de campo e de entrevistas semiestruturadas para se concluir que os TPAs incorporaram em seus próprios discursos a necessidade da qualificação, para atenderem às demandas e exigências da modernização portuária por um novo perfil de TPA, competente e multifuncional, com o fito de se manterem empregados.

Biografia do Autor

Mario Lopes Amorim, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Brasil

Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Atua como professor da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), onde integra o quadro docente do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia.

Luceli Gomes da Silva, Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Paraná (PPGS/UFPR), Brasil

Doutoranda em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Mestra em Tecnologia e Sociedade pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

Referências

BRASIL. Lei n. 8.630 de 25 de fevereiro de 1993. Dispõe sobre o regime jurídico da exploração dos portos organizados e das instalações portuárias e dá outras providências. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1993/lei-8630-25-fevereiro-1993-363250-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 01 mar. 2020.

BRASIL. Lei Nº 11.632, de 27 de dezembro de 2007. Altera o inciso I do caput do art. 44, da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília (DF): 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Lei/L11632.htm , acesso em 17/05/2020.

BRASIL. Lei nº 12.815, de 5 de junho de 2013. Dispõe sobre a exploração direta e indireta pela União de portos e instalações portuárias e sobre as atividades desempenhadas pelos operadores portuários; altera as Leis nºs 5.025, de 10 de junho de 1966, 10.233, de 5 de junho de 2001, 10.683, de 28 de maio de 2003, 9.719, de 27 de novembro de 1998, e 8.213, de 24 de julho de 1991; revoga as Leis nºs 8.630, de 25 de fevereiro de 1993, e 11.610, de 12 de dezembro de 2007, e dispositivos das Leis nºs 11.314, de 3 de julho de 2006, e 11.518, de 5 de setembro de 2007; e dá outras providências. Brasília (DF): 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12815.htm , acesso em 17/05/2020.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília (DF): Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm , acesso em 17/05/2020.

CARVALHO, Francisco Edivar. Trabalho portuário avulso: antes e depois da Lei de Modernização dos Portos. São Paulo: LTr, 2005.

DIEGUÉZ, Carla Regina Mota Alonso. A masculinidade do trabalhador portuário: novas questões em tempos de automação. In: FAZENDO GÊNERO 9, Florianópolis, 2010. Fazendo Gênero 9: Diásporas, Diversidades, Deslocamentos: Anais eletrônicos. Florianópolis: Editora da UFSC, 2010. p.1-9.

DIEGUÉZ, Carla Regina Mota Alonso. De OGMO (Operário Gestor de Mão-de-Obra) para OGMO (Órgão Gestor de Mão-de-Obra): modernização e cultura do trabalho no porto de Santos. São Paulo, 2007. 149 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo - USP.

DIEGUÉZ, Carla Regina Mota Alonso. Trabalho à deriva: contradição e ambiguidades nas lutas e percepções dos estivadores de Santos (1993- 2013). Campinas (SP), 2014. 347 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP.

DPC – DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS. Normas da autoridade marítima para o ensino profissional marítimo, volume II: Portuários e Atividades Correlatas, NORMAM-32/DPC. Rio de Janeiro: DPC, 2017.

DPC – DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS. Fundo de Desenvolvimento do Ensino Profissional Marítimo: Relatório de Gestão. Rio de Janeiro: DPC, 2008.

DPC – DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS. Normas da autoridade marítima para o ensino profissional marítimo, volume II: Portuários e Atividades Correlatas, NORMAM-30/DPC. Rio de Janeiro: DPC, 2012.

FIDALGO, Fernando. A Formação profissional negociada: França e Brasil, anos 90. São Paulo: A. Garibaldi, 1999.

FRIEDMANN, Georges. O trabalho em migalhas. 2ª ed. São Paulo: Perspectiva, 1964.

NAVILLE, Pierre. Essai sur la qualification du travail. Paris: Librairie Marcel Eiviére et Cie, 1956.

NETO, Arnaldo Bastos Santos; VENTILARI, Paulo Sérgio Xavier. O trabalho portuário e a modernização dos portos. Curitiba: Juruá, 2004.

PAUL, Norberto Luiz de França; FREDDO, Antonio Carlos. Questões sobre a multifuncionalidade nas operações portuárias em Santos. EGesta, Santos, Universidade Católica de Santos, v. 5, n. 3, p. 149-168, jul-set 2009.

PINTO, Cristiano Paixão Araújo; FLEURY, Ronaldo Curado. A modernização dos portos e as relações de trabalho no Brasil. Porto Alegre: Síntese, 2004.

QUEIRÓZ, Maria de Fátima Ferreira; GERALDO, Juliana Varela. O trabalho portuário até 1970: contexto internacional e nacional. In: QUEIRÓZ, Maria de Fátima Ferreira; MACHIN, Rosana; COUTO, Márcia Teresa (orgs.). Porto de Santos: Saúde e Trabalho em Tempos de Modernização. São Paulo: Fap-Unifesp, 2015. P. 33-48.

RAMOS, Marise Nogueira. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2006.

SAAD, Eduardo Gabriel (Org.). CLT, Consolidação das Leis do Trabalho: comentada. 37ª ed. São Paulo: LTR, 2004.

SALERNO, Mario Sérgio. Trabalho e organização na empresa industrial integrada e flexível. In: FERRETTI, Celso João et al (Orgs.). Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. 5.ed. Petrópolis: Vozes, 1999. P. 54-76.

SARTI, Ingrid. Porto vermelho: os estivadores santistas no sindicato e na política. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

SILVA, Fernando Teixeira da. A carga e a culpa: os operários das Docas de Santos - direitos e cultura de solidariedade 1937-1968. São Paulo: Hucitec, 1995.

SILVA, Fernando Teixeira da. Operários sem patrões: da Barcelona à Moscou brasileira (trabalho e movimento operário em Santos no entreguerras). Campinas (SP): 2000. 494 f. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.

TARTUCE, Gisela Lobo Baptista Pereira. Algumas reflexões sobre a qualificação do trabalho a partir da sociologia francesa do pós-guerra. Educação & Sociedade. Campinas, V. 25, nº 87, p. 353-382, mai.-ago/2004a. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br . Acesso em: 11/02/2020.

TARTUCE, Gisela Lobo Baptista Pereira. O que há de novo no debate da “qualificação do trabalho”? Reflexões sobre o conceito com base nas obras de Georges Friedmann e Pierre Naville. São Paulo: 2002. 231 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo - USP.

TARTUCE, Gisela Lobo Baptista Pereira. Pierre Naville e os estudos sobre a automação na França do Pós-guerra. Política & Trabalho, João Pessoa, n. 21, p. 81-104, out. 2004b.

TRABALHADORES portuários concluíram curso de 1° grau. Informativo do Órgão Gestor de Mão-de-Obra do Paraná, Paranaguá, n.18, p.5, nov/dez. 2000.
Publicado
25-05-2020
Como Citar
AMORIM, M.; SILVA, L. QUALIFICAÇÃO PARA A MODERNIZAÇÃO PORTUÁRIA NO PROGRAMA DE ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO (PREPOM). RTPS - REVISTA TRABALHO, POLÍTICA E SOCIEDADE, v. 5, n. 8, p. p. 313-332, 25 maio 2020.