LICENCIATURAS NA REDE FEDERAL PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

um estudo com dados de concluintes

Palavras-chave: Rede Federal de Educação Tecnológica, Licenciatura, Educação Superior

Resumo

Resumo: O artigo aborda o crescimento de cursos de formação de professores na Rede Federal Profissional e Tecnológica, no período 2009-2018, especialmente, em licenciaturas nas áreas: Ciências Biológicas, Física, Matemática e Química, como recomendou a Lei nº 11.892/2008 que criou os Institutos Federais e instituiu a própria rede federal. O texto é resultado de pesquisa que analisou legislação, documentos governamentais e dados estatísticos do Censo da Educação Superior. Discute ainda a formação de professores nesse espaço, já que historicamente as instituições federais profissionais ofertaram cursos técnicos de nível médio. Finalmente, são problematizados dados relacionados aos percentuais de concluintes em licenciaturas dessa rede comparativamente com as demais instituições de educação superior brasileiras.

Biografia do Autor

{$author}, Universidade de São Paulo (USP), Brasil

Mestra e Doutoranda em Educação na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP). É Pedagoga na Pró-reitoria de Graduação da Universidade Federal do ABC (UFABC). Pesquisa sobre as políticas públicas para a formação de professores e para a expansão do ensino superior brasileiro E-mail:flavialima918@gmail.com

{$author}, Universidade de São Paulo (USP), Brasil

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Atua como professora na Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH/USP) e integra o quadro docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da USP. Foi professora visitante na University of Bristol, Reino Unido. É coordenadora do Grupo de Estudos em Políticas Públicas e História da Avaliação da Educação Superior (GEPPHAES/USP).

Referências

ARANHA, Antônia Vitória Soares; SOUZA, João Valdir Alves de. As licenciaturas na atualidade: nova crise? Educar em Revista, Curitiba, Editora UFPR, n. 50, p. 69-86, out./dez. 2013.

BARRETO, Raquel Goulart. Política educacional brasileira e o Ensino a Distância (EaD) como estratégia expansionista. In: VALE, Andrea Araújo do; PEREIRA, Larissa Dahmer (Orgs.), O ensino a distância na formação em serviço social: análise de uma década, 1. ed., Rio de Janeiro: E-papers, 2019, p. 28-53.

BEZERRA NETO, Luiz.; BEZERRA, Maria Cristina dos Santos. Ensino a distância: solução ou novos desafios para a educação. In:SOUZA, Dileno Dustan Lucas de; SILVA JÚNIOR, João dos Reis; FLORESTA, Maria das Graças Soares (Orgs.). Educação a distância: diferentes abordagens críticas. São Paulo: Xamã, 2010, p. 139-154.

BRASIL. Lei nº 7.044, de 18 de outubro de 1982. Altera dispositivos da Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971, referentes a profissionalização do ensino de 2º grau. Brasília, DF. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, Seção 1, p. 19.539, 19 out. 1982.

BRASIL. Lei nº 8.948, de 8 de dezembro de 1994. Dispõe sobre a instituição do Sistema Nacional de Educação Tecnológica e dá outras providências. Brasília, DF. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, Seção 1, p. 18.882, 9 dez. 1994.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, Seção 1, p. 27.833, 23 dez. 1996.

BRASIL. Resolução do Conselho Nacional de Educação (CNE) - Conselho Pleno (CP) n˚1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, Seção 1, p. 31, 9 de abril de 2002.

BRASIL. Resolução do Conselho Nacional de Educação (CNE) - Conselho Pleno (CP) nº 2, de 27 de agosto de 2004. Adia o prazo previsto no art. 15 da Resolução CNE/CP 1/2002, que institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, Seção 1, p. 17, 1 set. 2004.

BRASIL. Lei nº 11.184, de 7 de outubro de 2005. Dispõe sobre a transformação do Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná em Universidade Tecnológica Federal do Paraná e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, Seção 1, p. 1, 10 out. 2005.

BRASIL. Lei nº 11.195, de 18 de novembro de 2005. Dá nova redação ao § 5º do art. 3º da Lei nº 8.948, de 8 de dezembro de 1994. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, Edição Extra, p. 1, 18 nov. 2005a.

BRASIL. Decreto nº 6.095, de 24 de abril de 2007. Estabelece diretrizes para o processo de integração de instituições federais de educação tecnológica, para fins de constituição dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia - IFET, no âmbito da Rede Federal de Educação Tecnológica. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, Seção 1 p. 6, 25 abr. 2007.

BRASIL. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, Seção 1, p. 1, 30 dez. 2008.

BRASIL. Lei nº 12.677, de 25 de junho de 2012. Dispõe sobre a criação de cargos efetivos, cargos de direção e funções gratificadas no âmbito do Ministério da Educação, destinados às instituições federais de ensino; e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, Seção 1, p. 2, 26 jun. 2012.

CALDAS, Luiz. A formação de professores e a capacitação de trabalhadores da EPT. In: PACHECO, Eliezer (Org.). Institutos Federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. Brasília, São Paulo: Moderna, 2011, p. 33-46.

COLÉGIO PEDRO II. Assessoria de Comunicação Social. CPII vai oferecer 160 vagas em cursos de licenciatura. 27. Nov. 2019. Disponível em: http://www.cp2.g12.br/ultimas_publicacoes/225-noticias/9883-cpii-vai-oferecer-160-vagas-em-cursos-de-licenciatura.html. Acesso em: jan.2020.

COSTA, Maria Adélia da. Políticas de formação de professores para a educação profissional e tecnológica: cenários contemporâneos. 2012. 231f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, 2012.

DOURADO, Luiz Fernandes. Políticas e gestão da educação superior a distância: novos marcos regulatórios? Educação e Sociedade, Campinas, v. 29, n. 104, especial, p. 891-917, out. 2008.

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria; RAMOS, Marise. A política de educação profissional no governo Lula: um percurso histórico controvertido. Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 92, Especial, p. 1087-1113, out. 2005.

GATTI, Bernadete Angelina; BARRETO, Elba Siqueira de Sá. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009, 293p.

GATTI, Bernadete Angelina; BARRETO, Elba Siqueira de Sá; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo de Afonso. Políticas docentes no Brasil. Brasília: UNESCO, 2011, 297 p.

GATTI, Bernadete Angelina. Formação inicial de professores para a educação básica: pesquisas e políticas educacionais. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 25, n. 57, p. 24-54, jan./abr.2014.

GIOLO, Jaime. A educação a distância e a formação de professores. Educação & Sociedade, v. 29, n.105, p. 1211-1234, set./dez. 2008.

GIOLO, Jaime. Educação a distância no Brasil: a expansão vertiginosa. RBPAE, v. 34, n.1, p. 73-97, jan./abril. 2018.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Resumo técnico: Censo da Educação Superior 2009. Brasília, 2010, 37p. Disponível em: http://download.inep.gov.br/download/superior/censo/2009/resumo_tecnico_2009.pdf. Acesso em: dez. 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Resumo técnico: Censo da Educação Superior 2012. Brasília, INEP, 2014, 133p. Disponível em: http://download.inep.gov.br/download/superior/censo/2012/resumo_tecnico_censo_educacao_superior_2012.pdf. Acesso em: dez. 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Sinopses Estatísticas da Educação Superior- Graduação: 2000-2012. Brasília: INEP, 2014a. Disponível em: http://inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: dez. 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Microdados do Censo da Educação Superior 2009-2018. Brasília: INEP, out. 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/microdados. Acesso em: dez. 2019.

LIMA, Maria Flávia Batista. A expansão das licenciaturas no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo: percursos e características. 2015. 210f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós- Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

LIMA FILHO, Domingos Leite. A universidade tecnológica e sua relação com o ensino médio e a educação superior: discutindo a identidade e o futuro dos CEFETs. Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 02, p. 349-380, jul./dez. 2005.

LOUZANO, Paula. et alli. Quem quer ser professor? Atratividade, seleção e formação docente no Brasil. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 21, n. 47, p. 543-568, set./dez. 2010.

MACHADO, Lucília Regina de Souza. Diferenciais inovadores na formação de professores para a educação profissional. In: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC). Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, Brasília, v. 1, n. 1, p. 8-22, jun. 2008.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Plano de Desenvolvimento da Educação: razões, princípios e programas. 2007, 43p. Disponível em: . Acesso em: nov. 2019.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Portaria nº 40, de 29 de dezembro de 2010. Institui o e-MEC, sistema eletrônico de fluxo de trabalho e gerenciamento de informações relativas aos processos de regulação, avaliação e supervisão da educação superior no sistema federal de educação, e o Cadastro e-MEC de Instituições e Cursos Superiores e consolida disposições sobre indicadores de qualidade, banco de avaliadores (Basis) e o Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) e outras disposições. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, Seção 1 p. 23-31, 29 dez. 2010. Republicada por ter saído, no DOU nº 239, de 13-12-2007, Seção 1, págs. 39 a 43, com incorreção no original.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Portaria nº 1, de 3 de janeiro de 2018. Institui a Plataforma Nilo Peçanha (PNP). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, Seção 1 p. 10, 4 jan. 2018.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Ampliar a presença da rede federal de educação profissional em todo o Brasil é o objetivo do Plano de Expansão da Rede Federal. 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec-programas-e-acoes/expansao-da-rede-federal. Acesso em: nov. 2019.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Instituições da Rede Federal. 2019a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/rede-federal-inicial/instituicoes. Acesso em: dez. 2019.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Plataforma Nilo Peçanha (PNP) 2019 (Ano base 2018). 2019b. Disponível em: http://resultados.plataformanilopecanha.org/2019/. Acesso em: dez. 2019.

MINTO, Lalo Watanabe. A educação da miséria: particularidade capitalista e educação superior no Brasil. São Paulo: Outras expressões, 2014, 400p.

OLIVEIRA, Romualdo Portela. A transformação da educação em mercadoria no Brasil. Educação & Sociedade, Campinas, v. 30, n. 108, p. 739-760, out. 2009.

OTRANTO, Célia Regina. Reforma da educação profissional no Brasil: marcos regulatórios e desafios. Revista Educação em Questão, v. 42, n. 28, p.199-226, jan./abr. 2012.

OTRANTO, Célia Regina. Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: novo lócus de formação docente no Brasil. In: SILVA JÚNIOR, J. dos R.; SOUSA J. V. de; AZEVEDO, M. L. N.; CHAVES, V. L. J. (Orgs.). Educação Superior: internacionalização, mercantilização e repercussões em um campo de disputas. Belo Horizonte, MG: Fino Traço, 2015, p. 229-253.

RISTOFF, Dilvo. A tríplice crise da formação de professores. Grupo Estratégico de Análise da Educação Superior no Brasil. Flacso Brasil. Rio de Janeiro, p.1-2, set. 2012. Disponível em: http://flacso.org.br/?publication=opiniao-n4-a-triplice-crise-da-formacao-de-professores. Acesso em: jan. 2020.

RUIZ, Antonio Ibañez; RAMOS, Mozart Neves; HINGEL, Murílio. Escassez de professores no ensino médio: propostas estruturais e emergenciais. Ministério da Educação, mai. 2007, 27 p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/escassez1.pdf. Acesso em: dez. 2019.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA (SETEC). Concepção e Diretrizes: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. Brasília, jun. 2008, 23p. Disponível em: http://www.poa.ifrs.edu.br/wpcontent/uploads/2010/03/concepcao_diretrizes.pdf. Acesso em: set. 2018.

WEBER, Silke. Como e onde formar professores: espaços em confronto. Educação & Sociedade, Campinas, ano XXI, n. 70, p. 129-155, abril. 2000.
Publicado
25-05-2020
Como Citar
LIMA, M. F.; BARREYRO, G. LICENCIATURAS NA REDE FEDERAL PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA. RTPS - REVISTA TRABALHO, POLÍTICA E SOCIEDADE, v. 5, n. 8, p. p. 193-220, 25 maio 2020.