ESCOLARIZAÇÃO E FORMAÇÃO PARA O TRABALHO

Trajetórias indígenas frente aos programas educacionais

Palavras-chave: Trabalho e Educação, Educação Indígena, Programas de Governo

Resumo

o presente estudo traz à luz programas educacionais para comunidades indígenas problematizando seus pressupostos e limites e contrapondo-os às trajetórias individuais e coletivas de etnias que sofreram diferentes impactos da ação tutelar por meio de tentativas de escolarização e profissionalização. Analisa-se de que forma com esses programas, e apesar deles, tem sido possível para essas comunidades e para esses indivíduos construir suas trajetórias singulares e transformadoras. Considerando a relação paradoxal entre cosmologias diferentes que não pode ser resolvida simplesmente por propostas educacionais, a abordagem para tentar entender a complexidade desse processo foi a pesquisa documental e o trabalho com a memória dos indivíduos e coletividades indígenas quanto às suas trajetórias de escolarização e formação para o trabalho.

Biografia do Autor

Sueli Soares dos Santos Batista, Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETPS), Brasil

Doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP), com Pós-Doutorado em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Atua como professora e pesquisadora da Faculdade de Tecnologia de Jundiaí (FATEC/Judiaí) e do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS), onde integra o quadro docente do Programa de Pós-Graduação em Gestão e Desenvolvimento da Educação Profissional. É Coordenadora do Núcleo de Estudos em Tecnologia e Sociedade (NETS), é membro do Grupo de Trabalho de História da Infância e da Juventude da Associação Nacional de História (ANPUH-SP).

Emerson Freire, Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETPS), Brasil

Doutor em Sociologia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e em Filosofia pela Université de Paris 1, Panthéon Sorbonne, França; com Pós-Doutorado em Sociologia pela UNICAMP. Atua como professor na Faculdade de Tecnologia de Jundiaí (FATEC/Jundiaí) e no Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS), onde integra o quadro docente do Programa de Pós-Graduação em Gestão e Desenvolvimento da Educação Profissional e coordena o Núcleo de Estudos de Tecnologia e Sociedade (NETS). É pesquisador do Grupo de Pesquisa Conhecimento, Tecnologia e Mercado (CTeMe), vinculado à UNICAMP. Foi vencedor do Prêmio Rumos Pesquisa do Instituto ItaúCultural em seleção nacional, prêmio este destinado ao fomento de pesquisadores em artemídia.

Referências

ABA. Associação Brasileira de Antropologia. Histórico. Disponível em: http://www.portal.abant.org.br/index.php/institucional/hitorico. Acesso em: 10 fev. 2020

BATISTA, Sueli Soares dos Santos. Educação e Trabalho na Escolarização Das Crianças Indígenas No Brasil (décadas de 1950 e 1960). Revista Projeto História, São Paulo, n.55, pp.79-111, Jan.-Abr. 2016

BATISTA, Sueli Soares dos Santos. Formando as bases da vida profissional: análise de um programa experimental para educação de crianças e jovens indígenas no Brasil nos anos 1960. Anais da XVI Jornadas Trasandinas de Aprendizaje. São Paulo Unimes, 21 a 23 de setembro de 2016. Disponível em: http://unimes.br/jornadatrasandinas/wp-content/uploads/2016/10/ANAIS-DAS-XVI-JORNADAS-TRASANDINAS-DE-APRENDIZAJE-2016-3.pdf . Acesso em: 20 fev. 2020.

BERGAMASCHI, Maria Aparecida; SILVA, Rosa Helena Dias da. Educacão escolar indígena no Brasil: da escola para os indios as escolas indigenas. Revista Agora (Unisc), v.13, p.124- 150, 2007.

BOFF, Lenir A.; CONTE, Isaura Isabel. Colonização e educação no/do campo: conflitos e possibilidades na Amazônia Mato-Grossense. Dossiê Educação do Campo e Indígena. Revista Linhas Críticas. Brasília, DF. V. 22, n. 48, p. 367-383, mai./ ago. 2019

CEDIC-PUC-SP. Sobre o Movimento da Educação de Base. Disponível em: http://www4.pucsp.br/cedic/meb/o-meb.html. Acesso em: 04 abr. 2017

COHN, Gabriela. A cultura nas escolas indígenas. In: Políticas culturais e povos indígenas. CUNHA, Manuela C.; CESARINO, Pedro de N. (orgs). São Paulo, Cultura Acadêmica, 2014, p.313-338.

CUNHA, Manuela C. Políticas Culturas e povos indígenas. Uma introdução. In: Políticas culturais e povos indígenas. CUNHA, Manuela C.; CESARINO, Pedro de N. (orgs). São Paulo, Cultura Acadêmica, 2014, p. 9-21.

FREIRE, Carlos Augusto da Rocha (org.). Memória do SPI: textos, imagens e documentos sobre o Serviço de Proteção aos Índios (1910-1967). Rio de Janeiro: Museu do Índio-Funai, 2011.

FREITAS, Maria de Fátima Quintal de. Educação de jovens e adultos, educação popular e processos de conscientização: intersecções na vida cotidiana. Revista Educar, Curitiba, n. 29, p. 47-62, 2007. Editora UFPR

FREITAS, Itamar. A experiência indígena entre os historiadores profissionais. Disponível em: http://www.academia.edu/11609872/a_experi%c3%8ancia_ind%c3%8dgena_entre_os_historiadores_profissionais. Acesso em: 10 abr . 2017

KOPENAWA, Davi.; ALBERT, Bruce. A queda do céu. Palavras de um xamã yanomami. São Paulo, Companhia das Letras, 2015.

LÉVY-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural dois. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

LÉVY-STRAUSS, Claude. Tristes Trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

MANFREDI, Silvia M. Trabalho, profissão e escolarização: revisitando conceitos. In: Educação Profissional no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002, p. 31-60.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Proeja. Educação Profissional e Tecnológica Integrada à Educação Escolar Indígena. Brasília, 2007.

MUSEU DO ÍNDIO. Acervo arquivístico (Fundo SPI). Disponível em: http://base2.museudoindio.gov.br/cgi-bin/wxis.exe?IsisScript=phl82.xis&cipar=phl82.cip&lang=por. Acesso em 20 jun. . 2016

OLIVEIRA, Edna C. de; OLIVEIRA, Iraldirene R. de. Em busca de uma formação profissional na educação do campo. Dossiê Educação do Campo e Indígena. Revista Linhas Críticas. Brasília, DF. V. 22, n. 48, p. 300-323, mai/ago 2016.

OLIVEIRA, João Pacheco de; FREIRE, Carlos Augusto da Rocha. A Presença Indígena na formação do Brasil. Coleção Educação Para Todos. Série Vias dos Saberes. Volume 2. Brasília: MEC/SECAD; Rio: LACED/Museu Nacional, 2006.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso. O Processo de Assimilação dos Terena. Edição Museu Nacional, Série Livros I, Rio de Janeiro, 160 p.

PERES, Sidnei. SPI: etnicidade e indigenismo no Nordeste: cotidianidade e historicidade do poder tutelar. In: FREIRE, Carlos Augusto da Rocha (org.). Memória do SPI: textos, imagens e documentos sobre o Serviço de Proteção aos Índios (1910-1967). Rio de Janeiro: Museu do Índio-Funai, 2011.

PROGRAMA Experimental para Organização e Desenvolvimento de Comunidades Indígena (CNPI, 1967). Acervo Documental do Museu do Índio. 40 p.

SILVA, Maria Sueli Ribeiro da. A Língua Kaingang da Aldeia Paulista Icatu: uma descrição funcional. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas. UNESP, São José do Rio Preto, 2011.

SPI. Boletins internos (1940-1960). Disponível em: http://docvirt.com/docreader.net/DocReader.aspx?bib=DocIndio&PagFis=10718&Pes q. Acesso em: 18 nov. 2016.

TASSINARI, Antonella Maria Imperatriz. Escola indigena: novos horizontes teoricos, novas fronteiras de educacao. In: SILVA, Aracy Lopes da; FERREIRA, Mariana Kawail Leal. Antropologia, história e educacao. Sao Paulo: Global, 2001, p.50.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Metafísicas canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac Naify, 2015.
Publicado
25-05-2020
Como Citar
BATISTA, S.; FREIRE, E. ESCOLARIZAÇÃO E FORMAÇÃO PARA O TRABALHO. RTPS - REVISTA TRABALHO, POLÍTICA E SOCIEDADE, v. 5, n. 8, p. p. 365-385, 25 maio 2020.