A CONCEPÇÃO BURGUESA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E A POLÍTICA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO BRASIL

Palavras-chave: Educação Tecnológica, Desenvolvimento Econômico, Política de Ciência e Tecnologia, Pesquisa e Desenvolvimento, Adaptação à Inovação Tecnológica

Resumo

O artigo analisa o desenvolvimento da concepção burguesa de educação tecnológica no bojo do processo de institucionalização e implementação da política de ciência e tecnologia, mais tarde denominada política de ciência, tecnologia e inovação (CT&I), evidenciando o movimento de subsunção da política educacional à política de CT&I no período de 1960 a 1990. A partir do reexame da teoria do capital humano, busca-se evidenciar a gênese da subsunção da política educacional à política de CT&I para desvelar a concepção e abrangência da educação tecnológica na perspectiva burguesa. À guisa de conclusão, é apontada a mudança de paradigma da produção do conhecimento para um caráter cooperativo de produção e reprodução do capital. Isto exige a formação de diferentes capacidades de trabalho sob a envergadura da educação tecnológica.

Biografia do Autor

Zuleide S. Silveira, Universidade Federal Fluminense (UFF), Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF), com doutoramento intercalar na Universidade de Lisboa. Atua como professora da Faculdade de Educação da UFF, onde integra o quadro docente do Programa de Pós-Graduação em Educação; Coordenadora do Grupo de Pesquisa Estado, Trabalho, Educação e Desenvolvimento: pensamento crítico latino-americano e tradutibilidade de Antonio Gramsci (GPETED/UFF); é Editora-Chefe da Movimento Revista de Educação. É membro do Fórum da Gestão do Ensino Superior nos Países e Regiões de Língua Portuguesa, com sede em Lisboa.

Referências

ATCON, Rudolph P. La universidad latinoamericana: clave para un enfoque conjunto del desarrollo coordinado social, económico y educativo em América Latina. Bogotá: Universidade Nacional de Colombia, 1961. Disponível em http://pt.scribd.com/doc/36270991/Rudolph-Atcon-La-Universidad-a-v-libro.

BECKER, Gary S. The economic way of looking at life. The Nobel Foundation: Economic Sciences, 1992. Disponível em: https://www.nobelprize.org/prizes/economic-sciences/1992/becker/biographical/ , acesso em 20/04/2020.

BRASIL. Decreto nº 9.283, de 7 de fevereiro de 2018. Regulamenta a Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, a Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016, o art. 24, § 3º, e o art. 32, § 7º, da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, o art. 1º da Lei nº 8.010, de 29 de março de 1990, e o art. 2º, caput, inciso I, alínea "g", da Lei nº 8.032, de 12 de abril de 1990, e altera o Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009, para estabelecer medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo, com vistas à capacitação tecnológica, ao alcance da autonomia tecnológica e ao desenvolvimento do sistema produtivo nacional e regional. Brasília (DF): 2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2018/Decreto/D9283.htm , acesso em 20/04/2020.

BRASIL. Decreto-Lei nº 719, de 31 de julho de 1969. Cria o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e dá outras providências. Brasília (DF): 1969. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1960-1969/decreto-lei-719-31-julho-1969-362732-normaatualizada-pe.html , acesso em 20/04/2020.

BRASIL. Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Brasília (DF): 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm , acesso em 20/04/2020.

BRASIL. Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação e altera a Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, a Lei nº 6.815, de 19 de agosto de 1980, a Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, a Lei nº 12.462, de 4 de agosto de 2011, a Lei nº 8.745, de 9 de dezembro de 1993, a Lei nº 8.958, de 20 de dezembro de 1994, a Lei nº 8.010, de 29 de março de 1990, a Lei nº 8.032, de 12 de abril de 1990, e a Lei nº 12.772, de 28 de dezembro de 2012, nos termos da Emenda Constitucional nº 85, de 26 de fevereiro de 2015. Brasília (DF): 2016. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13243.htm , acesso em 20/04/2020.

BRASIL. Lei nº 5.727, de 4 de novembro de 1971. Dispõe sobre o Primeiro Plano Nacional de Desenvolvimento (PND). 1972-1974. Brasília (DF): 1971. Disponível em: http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/publicacoes-oficiais/catalogo/medici/i-pnd-72_74 , acesso em 20/04/2020.

BRASIL. Lei Nº 5.727, de 4 de novembro de 1971. Dispõe sobre o Primeiro Plano Nacional de Desenvolvimento (PND), para o período de 1972 a 1974. Brasília (DF): 1971. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1970-1979/L5727.htm , acesso Em 20/04/2020.

BRUM, Argemiro. O Desenvolvimento econômico brasileiro. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1982.

CASANOVA, Pablo González. As novas ciências e as humanidades: da academia à Política. São Paulo: Boitempo, 2006.

CIPOLLA, Francisco Paulo. A inovação na teoria de Marx. In: PELAEZ, Victor; SZMRECSÁNYI, Tamás (Orgs.). Economia da inovação tecnológica. São Paulo: Hucitec: Ordem dos Economistas do Brasil, 2006.

DREIFUSS, René. A internacional capitalista. Estratégias e táticas do empresariado transnacional (1918- 1986). Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, 1986.

DREIFUSS, René. Transformações: matrizes do século XXI. Petrópolis: RJ: Vozes, 2004.

FERNANDES, Florestan. A Ciência aplicada e a educação como fatores de mudança cultural provocada. São Paulo: S.M.P. E., 1959.

FERNANDES, Florestan. A formação política e o trabalho do professor. In: CATANI, Denice Bárbara et. al. (Orgs.). Universidade, escola e formação de professores. São Paulo: Brasiliense, 1986, pp. 13-37.

FREITAS, Luiz Carlos. Rumo ao politecnismo. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva: um (re) exame das relações entre educação e estrutura econômico-social e capitalista. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. v.2. Os intelectuais e o princípio educativo. Jornalismo. 2.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. v.3. Maquiavel; Notas sobre o Estado e a política. 3.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. 14. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

IANNI, Otávio. Estado e planejamento econômico no Brasil. 6. Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996.

IANNI, Otávio. Imperialismo na América Latina. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1988.

LONGO, Waldimir Pirró; DERENUSSON, Maria Sylvia. FNDCT, 40 anos. Revista Brasileira de Inovação. Campinas: UNICAMP; FINEP, v. 8, no 2, 2009, pp. 515-533.

MARINI, Ruy Mauro. 3.ed. Subdesenvolvimento e revolução. Florianópolis: Insular, 2012.

MARINI, Ruy Mauro. Dialética da dependência. Petrópolis, RJ: Vozes: Buenos Aires, Ar.: CLASO, 2000.

MARINI, Ruy Mauro. La acumulación capitalista mundial y el subimperialismo. Cuadernos Políticos. México: Ediciones Era, no 12, abr./jun., 1977. Disponível em: http://www.marini-escritos.unam.mx.

MARX, Karl. Elementos fundamentales para la Crítica de la economía política (Grundisse) 1857-1858, v. 2. 8. reimp. México: Siglo XXI Editores S.A., 2009.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política: livro I, v. I. 22. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política: livro III: o processo global da produção capitalista. São Paulo: Boitempo, 2017.

MARX, Karl. Trabalho assalariado e Capital & Salário, preço e lucro. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

MEDEIROS, João Leonardo. A economia diante do horror econômico: uma crítica ontológica dos surtos de altruísmo da ciência econômica. Niterói: EdUFF, 2013.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital. 2 reimp. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2006.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Relatório da Equipe de Assessoria ao Planejamento do Ensino Superior (Acordo MEC-USAID). Brasília: MEC: EAPES, 1969. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me002109.pdf , acesso em 20/04/2020.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Departamento de Assuntos Universitários. Relatório Anual 1977. Brasília: MEC: DAU, 1978.

MINISTRO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÕES E COMUNICAÇÕES. Portaria MCTIC nº 1.122, de 19 de março de 2020. Define as prioridades, no âmbito do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), no que se refere a projetos de pesquisa, de desenvolvimento de tecnologias e inovações, para o período 2020 a 2023. Brasília (DF): 2020. Disponível em: https://www.mctic.gov.br/mctic/opencms/legislacao/portarias/Portaria_MCTIC_n_1122_de_19032020.html , acesso em 20/04/2020.

OLIVEIRA, Francisco. Crítica à razão dualista – O ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003.

SANTOS, Theotônio dos. Revolução científico-técnica, divisão internacional do trabalho e sistema económico mundial. Cadernos ANGE: Vitória, 1994.

SCHUMPETER, Joseph. Os economistas: Teoria do desenvolvimento econômico. Uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1997.

SILVEIRA, Zuleide S. Concepção de educação tecnológica na reforma do ensino médio e técnico no governo FHC; resultado de um processo histórico. Revista Trabalho Necessário, ano 6, nº 6, 2008.

SILVEIRA, Zuleide S. Concepções de educação tecnológica na reforma da educação superior: finalidades, continuidades, e rupturas – estudo comparado Brasil e Portugal (1995-2010). Niterói: 2011. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal Fluminense.

SILVEIRA, Zuleide S. Formação científica no nível médio: primeiras aproximações. Boletim Técnico do Senac. Rio de Janeiro, v. 41, n. 1, p. 36-57, jan./abr. 2015.

SIMONSEN, Mario Henrique; CAMPOS, Roberto de Oliveira. A nova economia brasileira. Rio de Janeiro. Livraria José Olympio Editora, 1974.

TEIXEIRA, Anísio. Educação e universidade. Rio de Janeiro: EdUFRJ, 1988.

VELHO, Léa. Modos de produção de conhecimento e inovação estado da arte e implicações para a Política Científica, Tecnológica e de Inovação – Nota Técnica. In: CGEE. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Projeto nova geração de políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação. Brasília, DF, 2006.

VICENZI, Letícia Braga. Educação como capital humano (uma análise crítica). Rio de Janeiro: Gráfica Borsói S.A., 1983.
Publicado
25-05-2020
Como Citar
SILVEIRA, Z. A CONCEPÇÃO BURGUESA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA E DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E A POLÍTICA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO BRASIL. RTPS - REVISTA TRABALHO, POLÍTICA E SOCIEDADE, v. 5, n. 8, p. p. 95-117, 25 maio 2020.