Tem cientista na rede! Práticas formativas na cibercultura

  • Dilton Ribeiro Couto Junior Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
  • Rosemary dos Santos Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Palavras-chave: Jovens cientistas. Formação. Cibercultura. Educação

Resumo

Este trabalho tem o objetivo de compreender como as práticas sociais mediadas pela interface Facebook potencializam a visibilidade das experiências de pesquisa na universidade de um grupo de jovens cientistas da área das ciências biológicas. Operou-se por meio da abordagem teórico-metodológica da etnografia virtual e foram apresentados e analisados neste texto quatro momentos de interação desse grupo de jovens, que discutem filmes de animação, divulgam na rede parte dos achados de pesquisa monográfica, compartilham memes que retratam dilemas da vida acadêmica e refutam conteúdos de reportagens online. O que esses momentos de interação convidam a pensar é no quanto as dinâmicas interativas promovidas por esses jovens são capazes de criar redes de aprenderensinar, permitindo experiências formativas significativas nos diferentes espaçostempos da cibercultura.

Biografia do Autor

Dilton Ribeiro Couto Junior, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (ProPEd/UERJ). Pós-doutorando (bolsista PNPD/CAPES) e professor no Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC) da UERJ/FEBF.

Rosemary dos Santos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (ProPEd/UERJ). Professora Adjunta do Departamento de Formação de Professores da Faculdade de Educação da UERJ/FEBF. Também atua como docente no Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação (PPGECC) da UERJ/FEBF.

Publicado
19-09-2020
Seção
Educação Matemática e Científica na Cibercultura